Máquina e imaginário – Estudo dirigido

Questão 1: O que o autor define como as estéticas informacionais?

As estéticas informacionais englobam diversos modelos de análise das produções artísticas surgidos a partir dos anos 60 fundamentados na matemática que pretendiam, através de cálculos precisos, quantificar o valor estético de uma obra.

Esse modelo emerge de princípios da teoria da informação e cibernética e tem como seus principais expoentes o francês Abraham Moles e o alemão Max Bense. Moles e Bense partem do pressuposto de que a arte não deveria mais ser definida em seus termos metafísicos, negando, pois, a crítica da arte tradicional. Na tentativa de tornar a apreciação artística uma experiência objetiva e racional, propõem uma análise estética mensurável que poderia até mesmo ser elaborada através de fórmulas e algoritmos e transpostas para que computadores fossem capazes de analisar esteticamente uma obra.

Essa proposta pretendia elaborar valores universais de análise estética — que pudessem ser aplicados a toda forma de composição, independente de seu meio ou circunscrição artística –, embora se prestavam mais na análise da arte contemporânea, mais especificamente às vertentes associadas aos princípios computacionais em sua forma de composição ou operação, como as obras de Desmond Paul Henry e Xenakis. Dentre outros conceitos, a estética informacional valoriza a economia expressiva e a organização sintática, uma vez que essas formas de arte são destinadas a “ocupar espaço em memórias artificiais, a circular em redes e canais de trânsito eletrônico e ao armazenamento sob forma numérica”.

Arlindo Machado questiona até que ponto a emergência das estéticas informacionais derivam da existência dessas formas de arte, se apresentando como uma teoria da informatização da produção artística. O autor conclui que essa tendência da análise estética informacional representa uma “afinidade máxima” da arte com a tecnologia

Essa proposta de análise traduz uma mudança na percepção do mundo trazida pelo desenvolvimento tecnológico. Propostas como a de Moles e Bense continuam surgindo hoje, promovendo uma análise informacional de um conteúdo estético. É o caso do webapp Is it a banger?, que se propõe a analisar se uma música é apropriada para uma festa através de uma análise algorítmica da composição.

is it a banger

O aplicativo foi desenvolvido inspirado em um personagem da série Parks and Recreation que alega possuir um método rigoroso de análise para determinar se uma música é ou não um hit.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s