Plataformas de Streaming e suas relações com o usuário

Quando YouTube foi criado em 2005, para tornar possível o compartilhamento de vídeos através de plataformas digitais, poucas pessoas sabiam o que esperar da rede.

A intenção dos ciradores do YouTube é explícita através de seu próprio nome. YouTube vem do inglês you: você e tube – tubo, ou, no caso, gíria utilizada para designar a televisão. No caso, You television ficaria algo como “Você televisiona”, “Você transmite”, “Você na telinha”, “Você na tela”, etc. Ou seja, todos tinham um novo espaço para se expressar e alcançar audiência.

capa-Youtube-1

Era uma nova mídia na qual o conteúdo podia criado por quem aparece na câmera e por quem comenta e compartilha o vídeo.

No começo, algumas limitações impostas pelo site colaboraram para que seu conteúdo fosse composto majoritariamente por vídeos caseiros como “Charlie bit Me” e videoclipes. Mas aos poucos, criativos passaram a alimentar seus canais regularmente, criando uma audiência. Podemos dizer que um dos predecessores desse grupo é o vlogger PewDiePie.

A visibilidade do site, permitiu que ele  evoluísse e posteriormente, passasse a fazer parte do grupo de mídias disponíveis para publicidade. Os algoritmos que possui, sua navegabilidade e interface convidativos tornaram-no eficaz e, quando bem utilizado, preciso em seus anúncios.

Utilizando como justificativa ” melhorar a experiência do usuário”, o YouTube seguiu a onda de plataformas como Netflix e Spotfy e, mês passado, lançou a sua versão paga: o YouTube Red.

Nele, assinantes terão acesso a conteúdo exclusivo, poderão fazer download dos conteúdos e assistir vídeos em segundo plano.

Se para os assinantes as vantagens ficaram claras, para os youtubers o cenário ainda há muita incerteza. Atualmente, os donos dos canais não sabem exatamente quanto vão ganhar, já que o faturamento depende,  da audiência do vídeo.

A sensação de incerteza ficou ainda maior depois que o YouTube confirmou que os produtores que não aceitarem ser parte do Red terão seus canais “escondidos” entre os milhões de vídeos da plataforma. O que de certa forma prejudica o usuário que segue este criador.

Anúncios

Um comentário sobre “Plataformas de Streaming e suas relações com o usuário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s